Rio de Janeiro - Brasil

terça-feira, 20 de março de 2012

Igreja Católica Holandesa teria castrado meninos na década de 1950.


Horripilante: Harreveld, uma escola antiga na Holanda, onde o Sr. Heithuis sofreu o abuso na     década de 1950 .


Deputados holandeses vão pedir uma investigação sobre o caso dos jovens supostamente castrados na década de 1950 pela Igreja Católica “para se livrar da homossexualidade. "
O governo esta sob pressão para investigar o que alguns dizem é um encobrimento de um escândalo onde meninos tiveram os testículos removidos porque se atreveram a denunciar o clero.
As autoridades locais levantaram a questão depois que um jornal holandês revelou detalhes das punições - que não tinha sido exposta por uma investigação oficial sobre abuso sexual dentro da Igreja, publicado ano passado.
O NRC Handelsblad, um jornal vespertino diário na Holanda, identificou um homem chamado Henk Heithuis, como um dos jovens que foram castrados, bem como nove outros menores.
Após relatar dois monges à polícia por abusar dele em uma casa de internato católico, ele foi cirurgicamente castrado em 1956, quando ele ainda era menor de idade.
Cornelius Rogge, 79, um escultor holandês que conhecia o Sr. Heithuis testemunhou a evidência da castração.
"Ele foi totalmente mutilado. Foi um choque enorme ", disse.
Joep Dohmen, um jornalista investigativo que investigou o caso Heithuis, diz que a remoção cirúrgica dos testículos foi considerado como um tratamento para a homossexualidade e também como uma punição para aqueles que acusaram padres de abuso sexual.
Sr. Heithuis foi castrado aos 20 anos de idade - em 1956, ele acusou o clero católico de abusar sexualmente dele.
As crianças sob cuidados institucionais, independentemente da sua filiação religiosa, na Holanda estavam em risco substancial de serem abusados ​​durante o período, a taxa de abuso sexual foi de 20 por cento, o dobro de outros lugares.
Embora os monges foram condenados dos abusos, Sr. Heithuis foi ainda transportado para um hospital psiquiátrico católico, e foi submetido a castração cirúrgica.
Documentos judiciais confirmam que ele foi castrado "a seu pedido", mas não há uma apresentação de seu consentimento por escrito.
Sr. Heithuis morreu dois anos após a castração em um acidente de carro, mas o Sr. Rogge sentiu-se compelido a relatar a castração e um inquérito oficial sobre os abusos dentro da Igreja Católica.
O inquérito, presidido por Wim Deetman, ex-ministro holandês, recebeu 1.800 denúncias de abuso sexual pelo clero ou voluntários dentro de dioceses católicas holandesas no período desde 1945.
O inquérito recebeu o relatório do senhor Rogge, mas disse que "havia poucas pistas para novas pesquisas", então decidiu não investigar.
O inquérito revelou que oitocentos cleros católicos e funcionários da igreja eram culpados de abusar de crianças.
A investigação, segundo o jornal, também revelou que os inspetores do governo estavam cientes de que jovens estavam sendo castrados nas instituições psiquiátricas Católicas.
Atas de reuniões realizadas na década de 1950 mostram que os inspetores estavam presentes quando castrações foram discutidas e que a equipe católica não achavam que os pais precisavam ser consultados, mesmo os pacientes menores de idade.
Há também alegações de que Vic Marijnen, que era um primeiro-ministro holandês 1963-65, tinha ligações com o caso.
Não somente ele era uma estrela em ascensão no seu partido político, ele também foi vice-presidente da agência holandesa de proteção a criança católica.
Mais importante ainda, em 1956, ele era o presidente da casa da criança Gelderland, onde o Sr. Heithuis e outras crianças foram abusadas.
Os deputados holandeses vão pedir uma investigação parlamentar sobre as denúncias.
“Temos que descobrir quantos foram os casos, quem sabia e por que o governo não agiu”, disse um dos investigadores.


Fonte:  Daily Mail.

0 comentários:

Postar um comentário