Rio de Janeiro - Brasil

sábado, 24 de março de 2012

África: Jovem vende amigo para extração de órgãos genitais





Óscar Leite, jovem de 25 anos, esteve quarta-feira à venda por 200 mil meticais( pouco mais de treze mil reais) na região fronteiriça de Machipanda, distrito e província de Manica, em Moçambique, num negócio protagonizado pelo seu amigo, Carlitos Joaquim Manuel, de apenas 18 anos de idade, cuja finalidade era a extração de seus órgãos genitais para fins obscuros.
Dados apurados pelo “Diário de Moçambique” no local indicam que Óscar Leite estava a caminho de tráfico para a cidade de Tete, onde seria morto para a obtenção de órgãos genitais, cuja finalidade ainda se desconhece.
Carlitos Joaquim, proveniente do distrito de Nhamatanda, diz ter se dirigido a Machipanda a procura de emprego.
Apresentada a sua preocupação ao sogro, António Mário, que diz ter 22 anos de idade, teria pedido ao visitante para que procurasse uma pessoa para venda, um negócio que traria aos seus bolsos cerca de 200 mil.
Carlitos estabeleceu um contato telefônico com o seu amigo, solicitando-o em Machipanda, com alegações de que tinha encontrado emprego a seu favor, quando na verdade o queria era vende-lo para extração dos respectivos órgãos genitais.
Óscar Leite, que estava a procura de emprego dirigiu-se à região fronteiriça de Machipanda, sem desconfiar de nada. Chegado ao destino, o jovem encontrou seu amigo e o respectivo sogro nas mãos de agentes policiais, que já tinham conhecimento do negócio que seria fechado na cidade de Tete.
“O meu amigo, Carlitos, me ligou informando que tinha conseguido emprego para mim, em Machipanda, no bar de uma senhora. Mas, quando cheguei, o Carlitos e o sogro acabaram por ser algemados. Foi a partir daí que fiquei sabendo que estava para ser vendido”, afirmou a vítima, que escapou graças à intervenção policial.
A intervenção da Polícia foi possível graças à denúncia popular, dando conta da ocorrência de plano de venda de ser humano, para extração de órgãos genitais, que seria antecipado de homicídio em Tete, onde, segundo dados, se encontra o mandante.
Depois de tomar o conhecimento do caso, a Polícia introduziu um dos seus agentes na rede, o qual viria a descobrir a existência de elementos substanciais de venda de pessoas, na zona de Machipanda, fronteira com o Zimbabwe.
Carlitos Joaquim confirmou que depois de ter sido interpelado por um agente policial, que estava à paisana, desvendou o segredo, confirmando que queria vender uma pessoa, que por sinal, seu amigo, um negócio que também envolveu o sogro deste último, o qual também contatava clientes.

Fonte:



0 comentários:

Postar um comentário