Rio de Janeiro - Brasil

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Movimento grevista da PM do Rio admite que paralisação pode não acontecer


Uma das lideranças do movimento em prol da dignidade dos Bombeiros e Policiais do Estado do Rio de Janeiro,  cabo Gurgel afirmou que a preferência do coletivo é não  entrar em greve. De acordo com o militar, em uma assembleia na próxima quinta-feira, véspera da data estipulada para o início da paralisação, será decidido o destino do movimento, e de que forma os agentes de segurança vão reivindicar seus direitos.
"Somos conscientes e sabemos que é melhor não haver a greve, desde que sejam atendidas as nossas reivindicações", disse ele. "Uma paralisação geral não beneficiaria a ninguém. Porém, precisamos que o mínimo seja feito por nós".
Questionado sobre as declarações do governador Sérgio Cabral, que comparou o movimento fluminense ao baiano, e disse que "no Rio, há comando, há respeito da corporação a esse comando e garanto que nossos profissionais de segurança têm consciência de que o serviço deles é essencial", cabo Gurgel garantiu que "nada parecido com o que acontece em Salvador aconteceria aqui". Segundo ele, na assembleia que antecede a possível greve, em caso de confirmação da paralisação, será definido o esquema dos grevistas.
"Nós existimos para proteger a sociedade", definiu. "Nossa paralisação não pode ser integral. Somos um movimento organizado, e que preza pela segurança do Rio e de seus habitantes".
Perguntado sobre o anúncio feito por Cabral, que enviou proposta de reajuste à Assembleia Legislativa do Rio na semana passada e que será votado esta semana, e que vai elevar o salário mínimo de policiais e bombeiros a mais de R$ 2 mil, cabo Gurgel garantiu que as reivindicações do movimento não se limitam à questão salarial.
"Queremos mudanças no regulamento da Corporação, que muitas vezes sobrepõe-se à Constituição Federal", comparou. "O PM tem que poder recorrer à Justiça Comum, antes de extinta a esfera administrativa. O policial não pode ser obrigado a levantar para seu superior sentar quando não está de serviço. E, principalmente, queremos o fim da 'pronta intervenção', que permite a prisão do militar por 72 horas mediante qualquer suspeita, sem que haja flagrante ou prova de irregularidade".
Fonte:

Opinião
Espero que o bom senso realmente prevaleça.  Nossos policiais arriscam suas vidas para nos proteger, se a violência esta “ pipocando”  imaginem se não fosse esses homens e mulheres que estão patrulhando as cidades em pool a nossa proteção.
Aqui no Rio a segurança publica sempre foi um caso complicado, agora graças a políticas de pacificação de áreas que eram controladas pelo trafico, as coisas melhoraram muito.
Mas se a policia parar, nem imagino o que pode ocorrer. Por isso espero que o governador Sergio Cabral, use o bom senso, tenha como exemplo o que infelizmente esta ocorrendo na Bahia e negociem com a policia para evitar que nos cidadãos sejamos expostos a uma guerra urbana. Que o bom senso fale mais alto.
Uanderson


0 comentários:

Postar um comentário