Rio de Janeiro - Brasil

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

FHC sinaliza para Serra que sonho acabou


São Paulo, BR Press - O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi direto ao ponto quando perguntado, em entrevista à influente revista britânica The Economist desta semana, sobre quem deveria ser o candidato do PSDB para as eleições presidenciais de 2014: “Aécio Neves”.

Para Cardoso, o ex-governador de Minas Gerais é o candidato natural: “Aécio vem da cultura mais tradicional do Brasil, mais apta a estabelecer alianças. Ele tem algum apoio de Minas Gerais. São Paulo não é assim; é sempre dividido, é tão grande. As coisas vão ficar mais claras após as eleições municipais (em outubro de 2012). Provavelmente, nós veremos uma luta muito forte interna dentro do PSDB, entre Serra e Aécio.”

Cardoso não titubeou ao comentar a situação atual do correligionário de muitos anos: “No caso do PSDB, o ex-governador Serra fez o papel do Lula: ele tem coragem, ele gosta de competir. Porém, eu não sei até que ponto ele será convencido de que isso não é para ele, que deve abrir espaço para os outros.”

Ao ser indagado sobre se o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e um dos nomes mais cotados dentro do PSDB para as próximas eleições presidenciais, também está “no jogo”, FHC respondeu de forma direta à Economist: “Não, eu não penso assim”.

ARROGÂNCIA

FHC foi severo ao analisar a atuação de seu próprio partido nas últimas eleições de 2010: “Na última campanha, o PSDB cometeu erros enormes. No início, o favorito era o nosso candidato [José Serra], de longe. E, em vez de organizar alianças, mais fáceis de criar quando você está crescendo, (...) não o fizemos. Foi uma espécie de arrogância. Nosso candidato ficou isolado, mesmo internamente.”

José Serra recebeu 44% dos votos contra Dilma Rousseff, que foi eleita presidente com 56%.

ARMADILHA

Ao ser perguntado pela Economist sobre o papel da oposição no Brasil de hoje, FHC afirmou: “A oposição hoje em dia é uma espécie de armadilha. Nossos partidos tornaram-se mais e mais partidos do Congresso.”

Segundo o ex-presidente, a oposição é “muito forte no Congresso”. Ele explica: os partidos “fazem discursos, protestam, querem organizar um inquérito, uma reunião, uma comissão. E para as pessoas,  isso não é nada. Uma sociedade justa não se preocupa com o Congresso.”

DISTANCIAMENTO

Para FHC, “os partidos não têm contato com a sociedade.” Ele também analisou a política no maior estado brasileiro: “O PSDB tem sido forte em São Paulo por um longo tempo, sim, mas a população presta atenção ao Poder Executivo, e não o Congresso. Na mentalidade brasileira, não há contradição entre votar em Lula para presidente e no PSDB para governador do estado.”


José Serra não se pronunciou, mas às 7h da manhã desta terça (24/01), pela primeira vez, ele deu “Bom dia” no Twitter – fato que intrigou os internautas que o seguem em seu microblog.

Já Sérgio Guerra, presidente nacional do PSDB, deputado federal (PE) e o senador Álvaro Dias (PR), que recentemente se declarou “presidenciável”, fizeram declarações na mesma direção: só as prévias do partido decidirão o candidato do PSDB às próximas eleições presidenciais.
(Sérgio Corrêa Vaz/Especial para BR Press)

Fonte:

0 comentários:

Postar um comentário