Rio de Janeiro - Brasil

domingo, 11 de dezembro de 2011

Paraenses rejeitam divisão do Estado






Os eleitores paraenses rejeitaram neste domingo (11) a divisão do Estado. Com 66,52% das urnas apuradas, às 19h48, o resultado mostra que 69,68% disseram não à criação do Tapajós, no sudeste do Pará, e 70,2%% disseram não à criação do Carajás, no oeste. Matematicamente, é impossível ter uma virada no resultado, segundo o Datafolha.
O plebiscito realizado hoje aconteceu após o STF (Supremo Tribunal Federal) definir que toda a populacão do Estado deveria ser consultada sobre a divisão, e não só a parcela dos cidadãos que poderá integrar os novos territórios.
A decisão foi considerada um revés para os partidários do sim à separação. A população do que seria o novo Pará, majoritariamente antidivisão, é muito superior à soma dos moradores das áreas separatistas: 4,6 milhões, ante 2,9 milhões.
Mesmo que a divisão fosse aprovada, ainda precisaria ser submetida ao crivo do Congresso, por meio de uma lei complementar, conforme rege a Constituição.
Agora, uma nova proposta de consulta pela divisão do Estado só poderá ser apresentada na próxima legislatura, a partir de 2015.
CAMPANHAS
A campanha que antecedeu ao plebiscito foi marcada pela ampliação do ressentimento nas áreas que desejam emancipar-se, que reclamam do isolamento e da ausência do poder público na região.
Nos últimos dias da campanha, o clima de tensão foi acirrado com o envolvimento direto do governador, Simão Jatene (PSDB), contra a partilha.
DIVISÃO
O movimento separatista no Pará reedita, quase dois séculos depois, a Cabanagem, revolta do século 19 em que índios, negros e mestiços tomaram o poder na então província. Os novos rebeldes querem separar as regiões oeste e sul e fundar os Estados de Carajás e Tapajós.
A insurgência nasceu com o sentimento de abandono político e isolamento territorial e a desigualdade econômica entre a capital, Belém, e regiões remotas do interior.
Mas há diferenças históricas entre os dois projetos, do Carajás e do Tapajós.
O primeiro é capitaneado por uma elite econômica nova e poderosa, que quer gerir os recursos minerais e a forte agropecuária da região.
O segundo tem maior legitimidade, pois nasceu há 150 anos, mas carece do tônus econômico do vizinho.
Contra ambos estão empresários e políticos da região metropolitana de Belém, que não aceitam perder 86% da área e 44% do PIB
Fonte:

 opinião
A possível divisão do Pará gerou uma serie de reações da sociedade brasileira, uns achavam perda de tempo e dinheiro a divisão, que geraria mais um custo ao Pais, por outro lado haviam aqueles que compreendessem os motivos da parcela paraense que desejava a divisão, pois uma grande parte da população daquele Estado vive em situação de abandono, em áreas remotas que nem serviço de saúde e disponível.
Hoje o NÃO venceu, e a pergunta que eu faço é: como fica a vida daqueles que moram em áreas isoladas sem assistência medica e hospitalar, onde em determinados lugares para se conseguir atendimento medico e preciso viajar horas de barco. Sem contar saneamento básico educação etc..
O povo do Pará que votaram no Não, precisam dar uma “ olhada” para esse povo esquecido, se o problema e político então cobrem providencias, e qualidade de vida a todos, pois o que não pode e a população da capital ( Belém) usufruir de riquezas produzidas em outras áreas do Estado, em quanto a população dessas áreas vivem na “pindaíba”, pois isso assemelha –se parasitismo.
Uanderson

0 comentários:

Postar um comentário