Rio de Janeiro - Brasil

sábado, 3 de dezembro de 2011

Aumenta o tráfico de mulheres do sudeste asiático para a China



Cada vez mais mulheres procedentes do sudeste asiático entram ilegalmente na China, onde são vendidas para solteiros locais ou forçadas a se prostituir, segundo um dirigente do ministério da Segurança Pública citado pelo jornal China Daily.
"O número de mulheres estrangeiras levadas clandestinamente para a China está em alta sem dúvida alguma", afirmou Chen Shiqu, diretor do departamento de repressão do tráfico humano do ministério, sem, no entanto, dar qualquer cifra que possa medir a amplitude do fenômeno.
Essas mulheres procedem no geral de regiões rurais e pobres do Vietnã, Laos e Mianmar, que são atraída por traficantes que prometem um emprego bme remunerado ou um casamento com um chinês rico.
"As vítimas são vendidas com frequência nas regiões chinesas como esposas dos aldeões locais ou forçadas a oferecer serviços sexuais em prostíbulos clandestinos das regiões costeiras ou fronteiriças da China, especialmente nas províncias de Guangdong e Guangxi (sul), assim como em Yunnan (sudoeste)", detalhou Chen.
O preço de uma mulher varia entre os 20.000 iuanes (2.350 euros, 3.150 dólares) e 50.000 iuanes (5.870 euros, 7.860 dólares), segundo sua aparência e nacionalidade.
A China conta com mais homens do que mulheres. POr causa da eliminação pré-natal de fetos femininos, nascem 118,1 meninos a cada cem meninas, quando a média natural seria de 105 meninos para cada 100 meninas, segundo as Nações Unidas.
Fonte:

Opinião
Os Chineses e sua cultura de idolatrar filhos homens, provocou um desequilíbrio gigantesco na quantidade de homens em detrimento a mulheres. Agora, para não ter que casar com alguma “ mulher de tromba” partem para as “ compras” como a reportagem mostrou. Mulheres de Países pobres do sudeste asiático, na esperança de se casar com algum  chinês rico, acabam quebrando a cara, muitas vezes parando em prostíbulos. Esta e a triste realidade da futura maior potencia mundial.
Uanderson

0 comentários:

Postar um comentário