Rio de Janeiro - Brasil

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Reportagem,de El País mostra O mapa do sexo no mundo.



Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), no mundo são realizados mais de cem milhões de atos sexuais, cerca de 65.000 por minuto. Os japoneses são os que menos praticam sexo, pelo menos  uma vez ao ano, enquanto os brasileiros preferem um aumento. A sofisticação dos brinquedos sexuais alcançam alturas inimagináveis, ​​sexo com bonecas que foi  retratado no filme de “Berlanga”, onde o  tamanho natural pode custar mais de 4.000 euros. Abordam também a fantasia original, que têm desenvolvido nos Estados Unidos chamado de furries, pessoas que obtêm prazer sexual se vestindo da cabeça aos pés como o seu animal favorito .
Estas são algumas das questões a serem abordadas no “Sex mundi, a aventura de sexo", uma série em alta definição, o que representa o erotismo, sexualidade e relacionamentos em diferentes culturas.  Produzido por “Plural Entertainment” agora afirma ser uma enciclopédia audiovisual adulto erótico só", explica Roberto Blatt, diretor-geral da cadeia de documentário . Blatt, que define o conjunto de "abrangente, inteligente, divertida e picante", diz prazeres carnais "partilham uma" linguagem e não conhecem fronteiras.
Mais de 15 capítulos são percorridos 23 países, a fim de refletir "o estado atual da sexualidade do ponto de vista biológico, antropológico, social, cultural religiosa e filosófica", explica Tania Estevez, um dos escritores, que afirma Marrocos e Israel foram os países com os maiores tabus e os obstáculos posta à fotografia. A monogamia, fetichismo sexual, ou de negócios são algumas das questões abrangidas no “mundi sexo”. A série também revela como na China, pais buscam parceiras(os) para os seus filhos em determinadas ruas ou lugares como se fosse um mercado, como na Espanha celebra-se a Goa festival, reuniões de massa, onde há  sexo fácil.   



0 comentários:

Postar um comentário