Rio de Janeiro - Brasil

sábado, 19 de novembro de 2011

CNN: Autoridades peruanas reabrem investigação sobre esterilizações forçadas em mulheres


Nos últimos 15 anos, Victoria Vigo vem tentando encontrar a verdade sobre sua infertilidade. Depois que seu terceiro filho nasceu morto, a instrutora de habilidades que vive em Lima, capital peruana, nunca foi capaz de engravidar novamente.
Três meses depois de perder seu filho, um médico confirmou seus piores temores: as suas tubas uterinas tinham sido amarradas, sem seu conhecimento ou consentimento. "Eu me senti mutilada. Essa é a verdade. Meus direitos como mãe e mulher foram violados", disse Victoria.
Victoria não é a única mulher no Peru, que foi esterilizada na década de noventa, durante o governo do presidente Alberto Fujimori.Organizações de direitos humanos dizem que há mais de 2.000 casos documentados de mulheres que  foram esterilizadas sem o seu consentimento.
Ninguém sabe realmente quantas mulheres foram esterilizadas à força em todo o Peru, mas Victor Cubas, o promotor especial que reabriu a investigação em outubro, diz que o número está na casa dos milhares.  "O gabinete do procurador-geral peruano tem conhecimento de cerca de 2.000 mulheres (nesta situação), mas os casos de esterilização forçada com base no número de pessoas (que participaram na campanha) poderia, sem dúvida, maior a nível nacional. Há muitas mulheres que Tenho certeza que não relataram isso e, portanto, os seus casos ainda não estão documentados ", disse Cubas.
 Todos os inquéritos sobre o esterilizações foram arquivados em 2009. O caso foi reaberto no final de outubro, quando Cubas reabriu as  investigações pelo novo governo do presidente Ollanta Humala.
 Rossy Salazar, um advogado de direitos humanos no Demus, uma organização dos direitos das mulheres no Peru, também diz que pode haver muitos mais casos." Salazar says. "O que aconteceu foi que o governo instituiu uma política de quotas, de uma maneira  a dar incentivos aos médicos, ginecologistas e enfermeiros para esterilizar um mínimo de três mulheres a cada mês", diz Salazar.
Funcionários do governo e organizações de direitos humanos concordam que cerca de 300.000 mulheres em todo o Peru participou de uma campanha de controle da natalidade durante os anos noventa. A campanha envolveu vários métodos, incluindo o que as autoridades peruanas chamada "cirurgia voluntária contraceptiva" ou subordinação das trompas de falópio.
Mas Salazar diz que este método em particular era usado em mulheres na zona rural do Peru, especialmente aqueles que não falava espanhol, sem o seu conhecimento e às vezes pela força.
Em um documentário feito pela América Latina e do Caribe para a Defesa dos Direitos das Mulheres várias mulheres testemunham que foram esterilizadas à força ou coagidas.
Fonte:

Opinião
Esta matéria da CNN mostra a barbárie cometida contra as mulheres pelo mundo a fora, neste caso especifico no Peru. Como sempre a população mais pobres e quem sofre com o autoritarismos de governos desumanos.
Como bem mostrou a matéria, muitas mulheres no meio rural, áreas afastadas e logicamente mais carentes e que foram as maiores vitimas dessas esterilizações sem consentimento por parte do governo, em que profissionais de saúde , médicos e enfermeiros, que recebiam incentivos para estas esterilizações.
Sendo assim não duvido que para receberem mais incentivos mais esterilizações eram feitas, neste caso, mulheres pobres, de áreas remotas eram pratos cheios para que quer ganhar dinheiro as custas da fragilidade alheia.
Como diz Boris Casoy, “ Isso é uma vergonha”!
Por Uanderson

0 comentários:

Postar um comentário