Rio de Janeiro - Brasil

domingo, 10 de maio de 2015

Novelas da Globo seguem com seu esquema de detonar o Rio e suavizar São Paulo.




Há pouco tempo atrás fiz um post que se chamava TV Globo, carioca de cu e rola, um anunciado provocativo, que tinha como objetivo de desmontar essa tese de emissora carioca, como os grandes jornais intitulam a emissora dos Marinhos.

No texto abordei sobre o aniversario de 450 anos da cidade do Rio de Janeiro que a Globo abordou de forma tímida comparada ao estardalhaço promovido pela emissora nos 450 anos da cidade de São Paulo que além de um show no ginásio do Ibirapuera, contou com uma minissérie que retratou grandes personalidades Paulistanas.

No mesmo artigo dei como exemplo a diferença na abordagem da Globo em suas novelas quando ambientadas no Rio e em São Paulo. E é nesse ponto que pego como gancho para escrever o artigo de hoje.

Não sou bairrista, pelo contrario, tenho grande estima pela cidade de São Paulo, que ainda não tive oportunidade de conhecer, mas que todos sabem que é a locomotiva do Brasil. Se São Paulo fosse um País, seria uma das maiores economias do mundo. Isso é incontestável.

Mas São Paulo tem seus problemas, a violência urbana e uma delas, talvez não com a mesma intensidade quanto à encontrada no Rio, mas tem! Assistindo o Brasil urgente da Band, ou o Cidade Alerta da Record vemos isso todos os dias.

Na semana passada por exemplo o apresentador Cesar Filho, noticiou em seu “Hoje em Dia” na Record que a cidade de Osasco, na grande São Paulo, estava com toque de recolher, escolas e comercio fechados a mando de bandidos em resposta a morte de um chefe da quadrilha que comanda uma comunidade local. Algo muito comum aqui no Rio que faz muitas pessoas acreditarem que somente acontece no Rio de Janeiro.

Leiam:


E isso de certa forma e em razão da Globo colocar de forma explicita em suas novelas a violência, a desordem, que assolam o Rio, diferente do que a emissora faz em São Paulo.

Na atual novela as 21h da Globo, a todo tempo os autores mostram em uma cena e outra a realidade nua e crua do Rio. No capitulo de sexta feira (8/05) em uma discussão entre os personagens Vinicius e Luis Fernando (Thiago Fragoso e Gabriel Braga Nunes) Luis Fernando exclama que colocar o carro em local proibido não e nada em visão do “caos” que o Rio de Janeiro Vive.  

Esse tipo de “escrachação” do Rio pelas novelas da Globo e antiga, mas quando a emissora ambienta uma trama em São Paulo, a coisa muda, se quer fala de engarrafamento na cidade locomotiva deste País!

Na próxima semana a Globo estreará na faixa das 19 horas “I Love Paraisópoles” uma trama ambientada na favela Paraisópoles de São Paulo. O enredo e o velho clichê da mocinha pobre, no caso moradora de uma favela que se apaixona por um ricaço morador de um bairro nobre vizinho à favela de Paraisópoles.

Se fosse uma trama ambientada na Rocinha, Rio de Janeiro, com certeza não faltariam os traficantes e suas balas traçantes, já em Paraisópoles a coisa ficara mais na briga da família do ricaço em não aceitar o namoro do tal com uma favelada.

Mas se o Brasil Urgente, o Cidade Alerta, mostram que a cidade de São Paulo também tem crime organizado porque a Globo não mostra essa realidade nua e crua como faz com o Rio?

São varias explicações, uma e que a Globo precisa da fidelidade do Paulistano para continuar sendo a líder de audiência e faturamento, São Paulo e o centro do mercado financeiro do Brasil, e lá que o bolo da publicidade e disputado a tapa pelas emissoras e demais mídias, e a Globo sempre levou a maior parte desse bolo.

O paulistano não gosta que sua cidade seja retratada de forma negativa, por mais que possa ser verdade, escancarar as mazelas da cidade mais importante do Brasil é um mal negocio tanto para audiência quanto para o mercado publicitário que quer ver São Paulo sendo noticia pelos negócios e finanças e não por bandidagem, para isso existe o Rio de Janeiro como saco de pancadas.

Não que a Globo deva esconder a desordem, a bandidagem, que realmente assolam o Rio, quem vive aqui é que sabe o quanto e triste ver aquela imagem dos pivetes esfaqueando um trabalhador num ponto de ônibus no centro financeiro da cidade do Rio, tanto a Globo quanto a imprensa no geral devem mostrar mesmo, pois isso e um absurdo que não deveria ocorrer em uma cidade, em um País que se diz civilizado.

Mas a Globo e a imprensa no geral deveriam mostrar que a violência urbana é uma praga que assombra o Brasil, o Rio não é a ovelha negra da família, mostrar que isso é uma realidade nacional talvez sensibilize os políticos em apertar o cerco à bandidagem, criando leis mais duras, reduzindo a maioridade penal, pois aqueles pivetes que esfaquearam o trabalhador já tinham passado outras vezes pela policia e foram soltos porque a justiça favorece.

No mês passado, por exemplo, a justiça do Rio determinou a libertação de dezenas de adolescentes infratores, muitos dos quais tiveram reavaliação recente e tinham a pena prolongada pela própria justiça! Ou seja a violência urbana que assola o Rio e TAMBÉM! outras capitais, não e apenas um caso de falta de policiamento, mas também de leis frouxas do tempo do ronca!

Leiam:


Por tanto TV Globo, mostre o lado “B” de São Paulo, Belo Horizonte, Vitoria, etc..., saiba que a violência urbana não é um “privilegio” do Rio de Janeiro, é uma doença nacional e mostrar unicamente a “doença” que tanto aflige nos cariocas, não ajudara muita coisa, pois no consciente coletivo funciona assim: se o problema é dos cariocas, eles que se virem!

Além disso, focar somente o que ocorre no Rio apenas irá concretizar no pensamento coletivo que o Rio de Janeiro e a cidade mais violenta do Brasil, ou talvez a única, o que não é verdade, bastam assistir o Brasil Urgente, o Cidade Alerta..................................

Por Uanderson de Aquino.

0 comentários:

Postar um comentário