Rio de Janeiro - Brasil

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Humorista da dupla Rodolfo e ET sofre sequestro-relâmpago em São Paulo



São Paulo - O humorista Rodolfo Carlos de Almeida, que formava a dupla ET e Rodolfo, foi vítima de um sequestro-relâmpago na noite desta quinta-feira na cidade de Pariquera-Açú, no interior de São Paulo.

O comediante estava dirigindo pela rodovia em Pariquera Açú, no Vale do Ribeira, quando parou o carro para abastecer. Ele foi rendido por três homens e ficou sob poder dos criminosos por cerca de quatro horas, período em que foi ameaçado doversas vezes.

Segundo informações das polícias Militar e Civil, Rodolfo voltava de Blumenau quando resolveu parar em um posto de combustíveis. Ele resolveu entrar na loja de conveniênica, onde foi abordado pelo trio, sendo um deles armado. O grupo levou o humorista no carro do humorista até a cidade de Itanhaém e ficaram circulando com ele dentro do carro pela região. 

No percurso, ele disse que os criminosos ameaçaram cortar um dedo dele.

Ainda segundo o depoimento que ele deu a polícia, os sequestradores perguntaram onde ficava a casa de veraneio dele, mas ele disse que não tinha. Um homem do grupo deu uma coronhada nele e o ameaçaram dizendo que que iriam cortar um dos dedos da mão ou que iriam colocar fogo no carro com ele dentro. Como o trio percebeu que não conseguiriam, abandonaram o comediante em uma rua do bairro Bopiranga, em Itanhaém, e fugiram como carro dele, R$ 80 e uma mala com roupas.

 Rodolfo ficou conhecido ao fazer dupla com ET, no começo de 1997. Os dois apresentaram um quadro no programa “Ratinho Livre”, da Rede Record. No ano seguinte, foram para o SBT para apresentarem um quadro no “Domingo legal”. Os dois gravaram um CD de músicas humorísticas.

Os dois desfizeram a parceria em haneiro de 2001, mas Rodolfo continuou no programa até 2009, quando pediu demissão. ET passou pela Rede TV! e voltou à Record em 2004 no programa “Raul Gil”. Depois disso, ficou longe da TV e, em 2010, morreu aos 46 anos vítima de um infarto.

Fonte: O DIA

0 comentários:

Postar um comentário