Rio de Janeiro - Brasil

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Família Vive embaixo de um pé de juazeiro, após ser despejada– RN.


A família de seu Sebastião Raimundo Lopes, de 49 anos, continua morando de maneira desumana, no meio da rua, embaixo de um pé de juazeiro, no bairro Quixabeirinha, Rio Grande do Norte.

Ele e a sua esposa, dona Antônia Elizete Dantas, de 49 anos, conhecida na comunidade como “Zeta”, foram despejados depois de uma ação de despejo, expedida pela 5ª Vara Cível de Mossoró.

É que o terreno da casa onde eles moravam pertencia a imobiliária Gilmário Imóveis. 

Como a ação pedia a reintegração de posse, a família foi obrigada a sair da casa, tendo, como única alternativa, morar na rua, onde divide o mesmo espaço com animais.

A família conta que tem passado por diversas necessidades. A água, energia e alimentos são doados por vizinhos e amigos, que se comovem com a situação deprimente da família. Dona Elizete é faxineira, mas, como está morando na rua, teve que suspender as atividades, assim como seu Sebastião, que é carroceiro, teve que deixar de trabalhar.

Eles contam que moravam na casa há mais de dez anos e que se surpreenderam com a decisão de ter que sair, no prazo de 24 horas, da casa onde moravam. Não tendo para onde ir, a família, composta por oito pessoas, sendo quatro adultos e quatro crianças, mora numa lona, embaixo de um pé de juazeiro há 20 dias. As crianças foram para a casa dos tios, ficou somente dona Elizeta e seu Sebastião no local.

Segundo eles, as crianças podem voltar a morar embaixo da lona, onde ficaram por alguns dias, assim que a família foi despejada, já que o filho de dona Elizeta, onde as crianças estão morando, está desempregado e sem condições de pagar o aluguel da casa. “Se completar um mês, as crianças voltam a morar debaixo da lona, com a gente”, lamenta dona Elizeta.

Dona Elizeta ainda conta que vive com medo de chover e a chuva destruir a lona. “Já perdi boa parte dos meus móveis quando eles [os móveis] foram jogados na rua”, diz a dona de casa.

No local, há animais - cavalos, cachorros – que dividem o local com os despejados. Além do mau cheiro, mosquito, falta de alimentação, água e energia adequadas, a família vive um drama diário de ter que estar separada do convívio das crianças. “O que eu quero é a minha casa de volta ou um local adequado para morar”, diz seu Sebastião.

A família foi chamada para ir, provisoriamente, para a Casa de Passagem, onde ficaria até que o caso fosse resolvido na Justiça, mas se recusou. “Tudo que eu quero é uma casa”, insiste seu Sebastião.

Dona Elizeta mostra um documento, assinado pela Prefeitura Municipal de Mossoró, datado de 23 de setembro de 2009. O documento mostra que a casa que dona Elizeta morava e que foi vítima de um despejo foi construída pelo Executivo municipal e entregue à família dela. O documento diz que a família não pode vender, trocar ou alugar a casa, sob o risco do imóvel ser tomado pela Prefeitura. É algo que intriga a família, já que o documento considera que já houve um processo de regularização, entretanto isso não aconteceu

O advogado que se dispôs a ajudar a família, Abraão Dutra, pediu a ajuda de toda a sociedade em prol da família de Seu Sebastião e dona Elizeta, que vem passando por todo tipo de necessidade, e das demais que podem ser despejadas.

Ele diz que as igrejas, a OAB, a Defensoria Pública e a sociedade em geral podem ajudar as famílias, seja prestando uma assessoria ou com medidas assistencialistas. “Toda ajuda em prol daquelas famílias é válida”, diz o advogado, que tem mantido diálogo frequente com as famílias.

Fonte: Gazeta do Oeste

Opinião

Se a família tem esse documento que a prefeitura local diz que eles somente não poderiam vender, trocar ou alugar a casa, sob o risco do imóvel ser tomado pela Prefeitura, ou seja demonstrado regularização há como contestar essa medida arbitraria de os colocarem na rua.

O que ocorre é que em nosso País ganha quem tem dinheiro e poder, se uma família com crianças pequenas vão ficar no relento, para essa elite sórdida pouco importa.

Torço para que tudo se resolva.

Por Uanderson


0 comentários:

Postar um comentário