Rio de Janeiro - Brasil

sábado, 10 de outubro de 2015

Derretimento das geleiras do Groenlândia poderia “frear” o aquecimento Global por ate 20 anos.

Um colapso das correntes oceânicas enormes que circulam águas quentes em torno do Atlântico poderia esfriar o planeta tanto que ele iria inibir o aquecimento global por até 20 anos.

Pesquisadores utilizam modelagem climática para estudar o impacto do cenário apresentado no filme de desastre de 2004. “O Dia Depois de Amanhã”.

No filme o aquecimento global faz com que a circulação do Atlântico Meridional (AMOC), que inclui a Corrente do Golfo, entra em colapso abruptamente, levando ao aparecimento de uma nova Idade do Gelo.

O AMOC é como uma corrente transportadora no oceano, impulsionada pela salinidade e temperatura da água. O sistema transporta calor desde os trópicos e o hemisfério sul para o Atlântico Norte, de onde se transfere para a atmosfera.

Os testes sugerem que se a AMOC é 'apagada' por aportes de água doce adicionais, a temperatura do ar na superfície do Atlântico Norte baixaria entre 1 a 3 graus Celsius, com uma margem de resfriamento de até 8 graus nas zonas mais afetadas.

Recentemente cientistas climáticos advertiram que as correntes no Atlântico Norte parecem estar resfriando a uma taxa nunca antes vista, possivelmente devido ao derretimento da calota de gelo da Groenlândia.

A Corrente do Golfo é uma poderosa corrente que faz parte da circulação do Atlântico Norte meridional.

Este é um sistema de correntes que são movidos por imersão e submersão de água em diferentes regiões do Atlântico.

Pesquisa publicada em março deste ano mostrou que a corrente está a resfriando em ritmo mais acelerado nunca visto em cerca de 1.000 anos.

O estudo mostra que a circulação de água quente e fria em torno do Oceano Atlântico tem diminuído por 15-20 por cento ao longo do século passado.

Os cientistas dizem que o aumento do fluxo de água doce do derretimento das geleiras da Groenlândia pode ser a condução de tal resfriamento.

No último estudo, Professor Sybren Drijfhout da Universidade de Southampton, descobriu que, se essas correntes continuarem se resfriando em tal taxa a Terra se esfriaria por cerca de 20 anos.

No entanto, ele calculou que só iria resultar em um máximo de 0,7 ° C de resfriamento após cerca de 11 anos antes que as temperaturas comecem a subir novamente.

É pouco provável que seja suficiente para trazer o congelamento generalizado do Hemisfério Norte, como mostrado no filme de Hollywood.

A Pequena Idade do Gelo, que trouxe invernos mais frios para partes da Europa e América do Norte entre os séculos XVI e XIX, por exemplo, caiu por uma quantidade similar.

Professor Drijhout, cujos resultados da pesquisa foi publicado na revista Scientific Reports, usou o modelo climático ECHAM alemão no Instituto Max-Planck, em Hamburgo.

Escrevendo na revista, Professor Drijfhout disse que o colapso da AMOC efetivamente 'destrói' aquecimento global por um período de 15-20 anos.

Ele acrescentou: "A partir daí, a tendência global da temperatura média é invertida e se torna semelhante a uma simulação sem um colapso AMOC. O período de aquecimento da superfície resultante tem a duração de 40-50 anos. "

Ele acrescentou que o recente período de aquecimento brando não pode ser atribuído a uma única causa e é provavelmente que devido ao El Niño e alterações no Oceano Antártico.

"As mudanças na circulação oceânica deve ter desempenhado um papel importante. Variações naturais têm contrariado o efeito estufa durante uma década, mas espero que este período seja agora. "

Fonte: Dalymail

0 comentários:

Postar um comentário