Rio de Janeiro - Brasil

domingo, 4 de outubro de 2015

Cadê os direitos Humanos? : Idosa morre metralhada após entrar por engano em favela em Niterói


Um casal de idosos teve o carro metralhado, na noite deste sábado (3), ao entrar por engano na comunidade do Caramujo, em Niterói, na Região Metropolitana do Rio.

De acordo com a Polícia Militar, Francisco e Regina Murmura vinham da capital e estavam a caminho da praia de Charitas, mas o GPS indicou uma rua com o mesmo nome dentro da comunidade. Ao tentar sair do local, Regina acabou atingida nas costas e morreu no hospital.

"Eles chegaram na rua e viram os elementos armados. O senhor acelerou até para fugir dos caras, mas os bandidos fizeram os disparos e o carro acabou numa rua sem saída. O casal, então, voltou nessa mesma rua e foi abordado pelos elementos", contou o comandante do 12º Batalhão de Polícia Militar de Niterói, coronel Fernando Salema.

"Eles viram que eram idosos e fizeram os dois entrar no carro de volta. Quando ele sai com o carro, eles fizeram novos disparos e atingiram vários lugares da lataria, mas um dos disparos atingiu a esposa desse senhor."

O crime ocorreu por volta das 21 horas. O GPS indicou a rua Quintino Bocaiúva que fica dentro da favela do Caramujo, na zona Norte da cidade, e não a avenida Quintino Bocaiúva, na praia de Charitas.

Logo que o carro conseguiu deixar a comunidade, uma viatura policial ajudou a socorrer Regina e levá-la até o hospital estadual Azevedo Lima. A direção do hospital disse que ela já entrou com parada cardiorrespiratória. "Foram tentadas manobras de ressuscitação, porém a paciente veio a óbito", diz a nota.

O caso foi assumido pela Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí, que instaurou inquérito para identificar a autoria do homicídio de Regina Murmura. A polícia já fez perícia no veículo da vítima. O marido de Regina, que dirigia o veículo, foi ouvido na delegacia. Os agentes estão em diligências para localizar possíveis testemunhas e imagens de câmeras de segurança que possam ajudar nas investigações.

Fonte: BOL


0 comentários:

Postar um comentário