Rio de Janeiro - Brasil

sábado, 16 de fevereiro de 2013

Amapá: Liga suspende título e campeonato das escolas de samba agora é caso de polícia




Mais um escândalo marca o resultado do carnaval amapaense. Dessa vez, dois áudios com graves acusações de fraude envolvendo jurados e o presidente da Liga das Escolas de Samba do Amapá (Liesap), Luiz Mota, o Geleia, pôs em xeque a divulgação das notas atribuídas às dez agremiações carnavalescas.

O caso foi registrado na 4ª Delegacia de Polícia de Macapá que, deve apurar ainda se uma das juradas forjou o currículo apresentado à Liesap. Por esse motivo, em clima tenso, os conselheiros da Liga decidiram ontem (15) suspender a homologação do resultado dos desfiles que consagrou a escola Maracatu da Favela, ligada ao atual presidente da Liga, como bicampeã do carnaval.

Uma comissão, presidida pelo assessor jurídico da Liesap, Ronaldo Serra, e mais dois advogados da Ordem dos Advogados do Brasil – Secção Amapá (OAB/AP) – que ainda serão definidos – ficará responsável por apurar a veracidade das acusações e a autenticidade da gravação num prazo de 30 dias.

Numa das conversas, uma moça supostamente ligada à Escola de Samba Boêmios do Laguinho indaga uma das juradas sobre orientações que teria recebido antes do desfile, por parte do presidente da Liesap – que nega as acusações – para prejudicar as escolas Piratas da Batucada, Embaixada de Samba Cidade de Macapá e Boêmios do Laguinho.

As suspeitas recaem sobre Aline de Jesus Belém, jurada, cuja nota do quesito Evolução vem sendo questionada por representantes das escolas que se sentiram prejudicadas.
Ela foi ouvida ontem pelos conselheiros da Liesap, mas os argumentos dados não convenceram os representantes das agremiações.
“Uma hora ela diz que reconhece a própria voz e em outro momento afirma que não disse alguma ou outra coisa na gravação”, suspeita o presidente da Embaixada de Samba Cidade de Macapá, Nilson Borges, que defende rigor durante as investigações.

O dirigente questiona, por exemplo, o fato de Aline ter dado à sua agremiação a nota mínima no quesito Evolução. “A nota 8 é como se fosse 0. Não se pode avaliar a evolução de uma escola, se ela não passa na avenida. Só se a agremiação entrou estática, sem mover nada”, ironiza. “Ela deu zero pra três escolas. Isso é temeroso e, no mínimo, tendencioso”, reclama.
 
Borges se mostra apreensivo com os rumos do carnaval amapaense. “Por mais que se escolha um jurado local que tenha uma conduta ilibada, sempre vai pairar aquela dúvida se continuará um julgamento duvidoso como o desse ano. Chegou ao ponto de não sabermos de que forma teremos que desfilar na avenida para obter os 10 pontos”.

Aline Belém também foi acusada ontem por um professor do Centro de Ensino Superior do Amapá (Ceap), onde teria se pós-graduado em Metodologia do Ensino da Educação Física e Esporte, de ter mentido ao colocar essa informação no seu currículo apresentado à Liesap. E que também não foi jurada em nenhum evento cultural da instituição, como também foi informado em seu currículo.

Não é a primeira vez que, meios escusos para se chegar ao resultado do carnaval amapaense, são denunciados. Acusado de não prestar contas do carnaval 2012, o presidente da antiga Liga das Escolas de Samba do Amapá (Liesa), Orles Braga, se defendeu das acusações alegando ser vítima de golpistas que o procuraram para vender o resultado do carnaval daquele ano. E por ter recusado, enfrentou oposição dentro da própria instituição. Braga também disse ter provas que incriminam vários integrantes da Liga por desvios de verba da entidade, entre outros crimes. E prometeu entregá-las à Justiça.

Com o imbróglio jurídico que se arrastou ao longo do ano passado em função da demora na prestação de contas por parte de Orles Braga, a entidade foi desmembrada e nasceu a Liesap, que já existia com outro nome desde 2005. As dez agremiações carnavalescas migraram para a nova Liga, que ficou responsável pela organização do carnaval 2013, sendo presidida por Geleia, cuja gestão, também está sob suspeita.
 
O que também tem suscitado discussão na sociedade sobre a organização do carnaval no Amapá, reforçando as suspeitas de fraude, é a ligação de dirigentes da instituição com as agremiações.

Além do atual presidente da Liesap ser ligado à escola Maracatu da Favela, que ficou em primeiro lugar com 179,1 pts; o diretor-financeiro da instituição, Abimael Perez também dirige a escola Piratas Estilizados, que ficou em segundo lugar com 178,4; o diretor de carnaval Helton Jucá, é ligado à escola Piratas da Batucada que ficou em quarto com 178,2 pts, atrás da escola Boêmios do Laguinho que obteve 178,3 pts, cujo presidente é Vicente Cruz, que contestou na justiça o resultado do carnaval 2010 por suspeita de fraude dos jurados, momento em que todas as agremiações acabaram sendo proclamadas campeãs.

Fonte:



0 comentários:

Postar um comentário