Rio de Janeiro - Brasil

sábado, 5 de julho de 2014

Números mostram que Betim ( MG ) vive ‘epidemia’ de homicídios entre jovens.

O novo Mapa da Violência, divulgado na última semana, revela que Betim continua entre as cidades em que mais se matam jovens em Minas Gerais. O estudo, realizado pelo Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos, com base no ano de 2012, revela que, apesar de o número de execuções entre crianças e adolescentes de até 19 anos ter caído no município em relação a 2011, a cidade é a quarta no Estado, atrás apenas de Esmeraldas, Nanuque e Governador Valadares. De acordo com o Mapa, Betim ainda vive uma “epidemia” de violência.

Em números absolutos, a cidade teve 145 homicídios de crianças e adolescentes em 2012. Considerando-se a população jovem, de 111.092 habitantes, a média de mortes foi de 130,5 a cada 100 mil pessoas nessa faixa etária, ou seja, 1.205% maior que o aceitável pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que é de até dez mortes desses tipo para cada 100 mil moradores.

Além disso, Betim ocupa a 63ª posição entre as cem cidades com maiores taxas de execuções de jovens no país, perdendo inclusive para outras cidades da região metropolitana, como Contagem, que está no 97° lugar, e Ribeirão das Neves, 167°. Belo Horizonte, com 637.744 habitantes jovens, aparece em 158° lugar no ranking, com taxa de 91,9 mortes a cada 100 mil pessoas nessa faixa etária.

O levantamento tem como base informações do Ministério da Saúde. A lista engloba os cem municípios com as maiores taxas de homicídio de pessoas de até 19 anos, considerando-se só cidades com mais de 10 mil crianças e adolescentes.

Ainda conforme a pesquisa, que considerou, em outro capítulo, a população de Betim como sendo de 388.873 habitantes, somente em 2012 foram registrados 216 assassinatos, o que significa uma média de 55,5 vítimas a cada 100 mil pessoas na cidade.
Levando-se em conta a população, em Minas Gerais o município só perde em total de execuções para São Joaquim de Bicas, Mateus Leme, Teixeiras, Governador Valadares, Esmeraldas e Juatuba.
 
A cidade mais violenta do país é Caracaraí, em Roraima. Lá, 40 pessoas foram assassinadas em 2012. A média foi de 210,3 mortes para cada 100 mil habitantes.
Nessa parte da pesquisa, o sociólogo e coordenador do estudo, Júlio Jacobo, considerou apenas municípios com 20 mil habitantes ou mais.

O Mapa faz um balanço das três últimas décadas sobre o fenômeno da violência homicida no país. Segundo Jacobo, o objetivo é elaborar subsídios para possibilitar uma análise diagnóstica a partir de dados coletados pelo Sistema de Informações de Mortalidade do Ministério da Saúde sobre 5.565 municípios do país.

Para Jocobo, o processo de desconcentração econômica acontecido no Brasil nos últimos anos foi um atrativo para a violência e a criminalidade nas áreas onde os mecanismos da segurança são precários ou incipientes. “A consequência desse deslocamento é a disseminação da violência homicida ao longo do território nacional. Locais que, até poucos anos atrás, eram considerados oásis de tranquilidade assistem a uma pesada escalada de violência”,avalia o sociólogo.

Uma das mais recentes jovens vítimas da violência que aterroriza os moradores de Betim foi Izabelle Caroline de Oliveira. A garota, de 19 anos, foi assassinada com um tiro na cabeça no último dia 21, sobre um trecho dos trilhos da linha férrea que corta a cidade, no bairro Decamão.

O suspeito do crime é Felipe Júnior Marques de Morais, 20, que foi preso na quarta-feira (2). Segundo apontaram as investigações da Delegacia de Homicídios, no dia da execução, Izabelle foi abordada por ele quando retornava do trabalho.

“Ela seguia próximo à linha férrea quando foi abordada por Felipe, que desferiu um tiro contra a vítima”, informou um policial civil, ao ressaltar que o principal suspeito do crime na época foi descartado. “Alguns familiares da vítima achavam que ela havia sido morta pelo próprio namorado, mas as investigações apontaram para outro caminho”, revelou.

O policial relatou que o suspeito matou Isabele por motivo fútil. “Ele ficou com raiva porque a vítima passou a sair para festas com a ex-namorada dele, já que ele ainda tinha interesse em reatar o relacionamento. Na cabeça dele, Izabelle estava atrapalhando a sua reaproximação”.

Fonte: betimonline

0 comentários:

Postar um comentário