Rio de Janeiro - Brasil

domingo, 22 de julho de 2012

A enfermagem a sua eterna saga pelas 30 horas.


A enfermagem e uma das profissões mais antigas na área da saúde, ao lado da medicina e da farmácia, e apesar de sua longa estrada, ainda não recebeu o devido reconhecimento dados aos serviços prestados a população.
Essa falta de reconhecimento também pode-se perceber em outras nações, porem no Brasil onde a enfermagem representa a maior categoria profissional da área da saúde chega a ser gritante tamanha a falta de respeito com os profissionais.
Salários baixos, péssimas condições de trabalhos, com carga horária exaustiva são rotinas que estes profissionais são submetidos, o que obviamente é refletida na assistência prestada aos pacientes.
No Brasil, ao contrario de outros Países onde a enfermagem e exercida exclusivamente por enfermeiros( nível superior), a categoria e dividida em três profissões: Auxiliar de enfermagem, profissão que exige ensino fundamental completo( antigo primeiro grau), com responsabilidade de prestar cuidados básicos, como os de higiene dos pacientes, etc...
Técnico de enfermagem , profissão que exige ensino médio, onde o curso de duração media de 18 meses, torna o profissional apto a atividades mais elaboradas, dentro da assistência prestada aos pacientes.
No topo, vem o enfermeiro, profissão de nível universitário, com duração de cinco anos, e nas instituições publicas em período integral, forma profissionais com conhecimento técnico e cientifico, responsável por todas as atividades da enfermagem, tanto da área da assistência, gerencia, e responsável técnico por todos os profissionais da enfermagem, seja auxiliar, seja técnico de enfermagem, como também por parteiras( onde existe esta profissão).
O enfermeiro possui autonomia dentro da sua área, não e subordinado aos médicos como algumas pessoas ainda imaginam existir uma hierarquia dentro da área da saúde, onde o medico e o chefe, o enfermeiro seu auxiliar. Dentro da área da saúde,  cada profissão tem sua importância, o que existe e a participação multiprofissional no cuidado aos pacientes.
O enfermeiro tem por exemplo permissão para prescrição de medicamentos, logicamente dentro de programas de saúde publicas adotados pelo governo, ou em protocolos de instituições privadas, como também solicitação de exames de rotinas, dentro da mesma situação citada acima.
Enfim, apesar de sua importância, e ser o único profissional a ficar 24h ao lado dos pacientes, a enfermagem vem sendo desprestigiadas com a conduta do governo em não votar a redução da carga horária para 30 horas semanais. Neste mês o governo conseguiu adiar a votação da  PL 2295/00, em uma manobra articulada pela bancada do governo.
A pergunta é: Porque o governo esta agindo dessa forma descabida com a enfermagem? Usando pretexto de um alto custo para as instituições com a redução da carga horária, quando na realidade os cálculos divulgados pela imprensa não são realistas.
Para defender interesses do empresariado, o governo vira as cosas para a enfermagem, demonstrando total desrespeito com a categoria, e a sociedade de certa forma, pois do jeito que esta, é impossível exigir uma prestação da assistência da enfermagem com a qualidade que deveria, já que os profissionais precisam trabalhar em vários lugares diferentes para conseguir uma renda digna.
Alem da questão das 30horas, o governo também age com total desrespeito com esta profissão, ate na formação do profissional que apesar de inúmeras cobranças, ainda não foi feita a alteração do Decreto nº 5.773 de 2006, para que os pedidos de criação de Cursos de Graduação em Enfermagem sejam encaminhados para apreciação do Conselho Nacional de Saúde-CNS", conforme já ocorre com os cursos de Medicina, Odontologia e Psicologia, que ainda permanece sem resposta conclusiva do governo.
Enquanto isso criam-se faculdades de enfermagem  com também cursos técnicos, a cada esquina, sem a menor estrutura, como se fosse feira que para atrair clientes, oferecem preços baixos, porem formando profissionais tão despreparados que chega a ser tornar um perigo a população.
Não e a toa que esta havendo um aumento no numero de erros de enfermagem, mutilando e ate matando pessoas, erros esses que obviamente também são por imperícia, mas que também pode-se justificar pela correria que é submetido ao profissional como também ao cansaço, uma vez que vemos profissionais trabalhando muito acima da carga horária permitida.
Por tudo isso, exigimos sim respeito por esta profissão, e que o governo passe a agir com lisura no tratamento com outras categorias profissionais, visto que, pelo menos com a categoria medica, o tratamento dado e outro.
Também acredito que a enfermagem precisa ser menos submissa, e arregaçar a camisa, como ficaria o atendimento a população se toda categoria cruzasse os braços? Espero como acadêmico de enfermagem, e acima de tudo como cidadão, que não cheguemos a este ponto, pois quem sofre no final deste cabo de guerras, e a população.

Por Uanderson.


0 comentários:

Postar um comentário