Rio de Janeiro - Brasil

sábado, 11 de janeiro de 2014

China ultrapassa os Estados Unidos no topo do mundo

A China superou os Estados Unidos ao ultrapassar as relações comerciais no último mês de novembro. Enquanto o país do Oriente alcançou a marca de US$ 4,16 trilhões (R$ 9,9 tri) entre importações e exportações, os Estados Unidos computaram US$ 3,5 trilhões (R$ 8,3 tri), tornando o país asiático a maior potência comercial do planeta, segundo dados divulgados ontem pelo Serviço Alfandegário chinês.

Os intercâmbios comerciais da China aumentaram 7,6% em relação a 2012, o que significa que 10% de todo o comércio mundial de mercadorias têm destino ou origem no país do Oriente — há uma década essa percentual era de 5%. Em todo o ano passado, as exportações da então segunda maior economia mundial cresceram 7,9%, para US$ 2,2 trilhões, (R$ 5,2 tri) e as importações 7,3%, para US$ 1,9 trilhão (R$ 4,5 tri), conforme o Serviço Alfandegário da China.

Estes são os melhores resultados da história e confirmam um giro geoeconômico, tornando o país a maior potência comercial do mundo de bens, excluindo os serviços. De acordo com indicadores de fevereiro passado, a China já teria alcançado a posição dos Estados Unidos em 2013, mas as alfândegas disseram que, devido ao uso de diferentes métodos para calcular, a mudança ocorreu pela primeira vez agora, embora os resultados finais americanos ainda não tenham sido publicados.
Sem hegemonia

Professor de Relações Internacionais e PhD em Direito Internacional, Líer Pires Ferreira acredita que os Estados Unidos continuarão como a maior potência mundial até meados do século 21, em função da sua presença e importância em todos os segmentos sociais: esportes, tecnologia, artes, economia, entre outros.

No entanto, segundo o professor do Iuperj, os norte-americanos não terão mais hegemonia de potência global, como aconteceu na última metade do século 20. “Aquele momento ocorreu dentro de um contexto muito específico, com a forte presença americana no pós-guerra, a decadência da então União Soviética e a retração da Europa”, explica.

Pires considera muito interessantes os dados da economia mundial, colocando a China à frente dos Estados Unidos. Segundo ele, essa relação já vinha se desenvolvendo de forma crescente nos últimos anos, desde que o país do Oriente resolveu se abrir — a partir da década de 1980 — para o mundo e para atividades ditas de consumo.

“A China protagoniza forte crescimento econômico nos últimos anos, principalmente pela enorme massa populacional. Isso faz com que o país tenha inúmeros desafios, mas um número infinito de oportunidades”, diz.

Carros chineses enfrentam cenário hostil no Brasil

Há quatro anos, quem acompanhou a entrada das montadoras da China no país possivelmente não esperava que o barulho fosse durar tão pouco. Para as chinesas, 2011 foi um ano muito especial, de alta nos emplacamentos e ganhos de participação de mercado. Mas de lá para cá, as vendas só caíram.

A Jac Motors, que contou com nada menos que o apresentador Fausto Silva como garoto-propaganda, passou de emplacamentos de 23.747 unidades em 2011 para 15.974 carros em 2013 — uma redução de 32,7% em dois anos, segundo a Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores).

A Chery, que chegou com menos alarde, emplacou 21.682 veículos em 2011 e não passou das 8.067 unidades no ano passado — uma redução de 62,8%. O fato é que se 2013 não foi dos melhores anos para a indústria automotiva, para os importados a situação ficou bem mais feia. 

No período, a queda nas vendas foi de 10,3%, segundo levantamento anual da Associação Nacional dos Fabricantes Veículos Automotores (Anfavea) — resultado bem diferente das montadoras nacionais, que encerraram o ano com 1,5% a mais de veículos licenciados frente a 2012.

Brasil pode ser fornecedor de alimentos
Para o professor do Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj) Líer Pires Ferreira, além da massa populacional, o crescimento exponencial da China deve-se a opção pela Educação. Segundo ele, o país é hoje o maior exportador de alunos de Nível Superior para os 
 Estados Unidos e Europa.

O domínio comercial da China, segundo o especialista, terá reflexos positivos no Brasil, já que, por meio da agropecuária, poderemos ser um fornecedor global de alimentos. Contudo, para o especialista, o desafio brasileiro é a base do processo econômico, que se repete há 500 anos.

“É inegável que o Brasil vem se desenvolvendo, mas o modelo é sempre o mesmo. Se quiser mudar a sua presença geopolítica no mundo, é necessário dar um salto qualitativo que só ocorrerá por meio da Educação”, aponta Líer Pires. Ele ressalta que países menores, como Coreia, Camboja e Vietnã, em menos de 40 anos apresentaram um crescimento econômico mais consistente, porque optaram em investir na Educação universal das crianças.

Fonte: O Dia

0 comentários:

Postar um comentário