Rio de Janeiro - Brasil

domingo, 7 de junho de 2015

O BRASIL É UMA FESTA!! “Câmara aprova isenção fiscal a igrejas”



Segunda matéria publica pelo jornal O Dia a Câmara dos Deputados aprovou no fim de maio uma medida provisória que garantia a isenção tributária a igrejas. A informação foi publicada neste sábado em reportagem do jornal Folha de São Paulo. O texto que incluía a isenção foi incorporado à MP e pode anular autuações fiscais que somam mais de R$ 300 milhões.

Segundo a reportagem, o benefício foi incorporado na MP por intermédio do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que é evangélico. A medida ainda livra da cobrança de impostos as chamadas “comissões” que pastores e líderes religiosos ganham ao arrecadar mais dízimos. Dessa forma, a isenção acaba favorecendo em especial as igrejas evangélicas neopentecostais, onde o pagamento de comissões a pastores é mais frequente.

O artigo foi incluído na MP 668 do ajuste fiscal, que trata originalmente do aumento de impostos sobre produtos importados. No entanto, para que entre em vigor, a medida ainda precisa passar pela sanção da presidenta Dilma Rousseff (PT).

A reportagem lembra ainda que a Constituição Federal garante imunidade tributária a templos. No entanto, não aos profissionais que neles trabalham e recebem salários, como pastores. Eles devem pagar Imposto de Renda e contribuição previdenciária sobre a remuneração.

Não há, porém, tributação sobre “ajuda de custo” (moradia, transporte etc), desde que esse dinheiro seja destinado à subsistência do empregado. E há casos de sonegação religiosa de pastores que recebem um salário mínimo e “comissões” a título de “ajuda de custo”, que em alguns casos podem chegar a R$ 100 mil. O benefício incluído por Cunha na MP acaba ampliando esse conceito de "ajuda de custo" e diz que o dinheiro não precisa ser exclusivamente para subsistência. 

Fonte: O Dia

 OPINIÃO

E por essas e por outras que esse País virou um mar de lama, nada aqui e levado a serio nossos políticos não legislam para a sociedade e sim para os grupos os quais financiaram suas campanhas.

Algumas igrejas evangélicas, que nem preciso citar nomes que todos sabem de quem estou falando, já responderam processos por denuncias de lavagem de dinheiro, e claro não deu em nada. As igrejas evangélicas detém hoje no Brasil um poder só comparado o que a igreja Católica tinha a alguns séculos atrás.

A cada ano a bancada evangélica no congresso ganha mais poder na medida que são eleitos representantes das mais variadas denominações. As pessoas que votam nesses grupos são doutrinados a votar nos candidatos da igreja sobre justificativa que estariam votando num homem de Deus.

Ocorre e que os “os homens de Deus” estão livres de cobranças uma vez que as próprias igrejas dizem que não se deve falar mal de um pastor ladrão por exemplo, que teria que deixar que ele caia nas mãos de Deus.

Com isso o caminho esta livre para o camarada porque o tempo de Deus não e o nosso e sabe lá quando é que Deus ira por a sua mão contra o tal cidadão! Já fui membro de uma denominação evangélica e me lembro das eleições em que a Rosinha Garotinho estava se candidatando a governadora.

Num culto de domingo, de repente tudo para, o pastor pede um minuto de atenção e da o microfone para o pastor presidente daquela regional, e ele fala sobre as eleições que seria na outra semana, e da importância em votar em uma pessoa comprometida com Deus, e diz: Quem vocês votarão no próximo domingo? O povo em coro respondeu :  Rosinha Garotinho!

Cada ano que se passa, cresce em mim uma certeza: quem tem condições financeiras, tenha bom senso, e saia do Brasil, estamos retornando a idade média!

Por Uanderson de Aquino.

0 comentários:

Postar um comentário