Rio de Janeiro - Brasil

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Falta de médicos no Brasil: de quem é a culpa?



Nesta semana a noticia da possível contratação de médicos cubanos tem causado uma serie de discussões a respeito, muitos sendo contrario, o CFM encabeçando essa lista de descontentes, diz que é temeroso para o Pais a contratação destes profissionais visto a má qualidade do ensino medico de Cuba.

O governo por sua vez, usa como justificativa a contratação destes profissionais para serem alocados no interior do Pais, em áreas que mesmo oferecendo bons salários, tem dificuldades de contratarem médicos. O governo informa que faltam médicos, enquanto o CFM diz que o Brasil tem médicos o suficiente.

Levando em consideração a informação do governo de que faltam médicos no Brasil, qual seria o motivo que levou a esta situação? Motivos podem ter vários, e seus causadores sem duvida e tanto o governo como o Conselho Federal de Medicina. O CFM luta em manter a profissão como um circulo de poucos privilegiados pressiona o governo em fechar faculdades de medicina, reduzir vagas como pressiona o governo em não abrir novos cursos para que desta forma, com quantidade menor de profissionais , funciona a lei do mercado de oferta e procura, e os médicos desta forma e quem dita as regras , como de salário no mercado.

O governo por sua vez colabora nesta perspectiva, tanto que vem diminuindo o numero de vagas para o curso de medicina em varias cidades, como fecha os olhos para os preços exorbitantes das mensalidades do curso que em alguns lugares chega a 7 mil reais por mês. Pensem comigo, quem num Pais como o nosso tem esse dinheiro todo para dar de uma tacada só todo mês? Realmente são poucos.

Uma possibilidade então que poderia ajudar neste sentido a democratizar o ingresso em medicina no Brasil seria então o Fies. O programa de financiamento para cursos superiores foi ampliado, antes somente abria o período de inscrição( solicitação do estudante) duas vezes ao ano, e mesmo assim não era garantia de que o aluno iria conseguir o financiamento já que havia limite na verba.

E como disse o candidato ao financiamento deveria estar matriculado na instituição. Hoje o Fies pode ser solicitado a qualquer momento pelo estudante, inclusive este pode conseguir o financiamento sem precisar pagar a taxa de matricula, passando no vestibular da instituição e fazendo a matricula ele já pode solicitar o financiamento, que neste caso já cobre a matricula.

Porem essa “facilidade” não chegou ao curso de medicina, a maioria das instituições particulares não aceitam o Fies para o curso de medicina. Algumas ate oferecem o financiamento, mas somente para os alunos que já estão cursando medicina na instituição, não permitindo para os novos alunos. Isso obviamente tira qualquer possibilidade de um estudante pobre em cursar medicina, porque  somente no primeiro mês entre a primeira mensalidade e a matricula, pode chegar a 14 mil reais, um valor completamente fora da realidade Brasileira.

Se de propósito ou não ao longo da historia no Brasil se fechou a medicina para um grupo de poucos privilegiados, geralmente faz medicina o filho de um medico, de um empresário. Agora o governo para preencher o buraco na falta de médicos no “ escafundó”  precisa contratar médicos de fora, e o CFM terá que engolir médicos cubanos.

Enquanto a medicina continua super valorizada, outras profissões da área da saúde continuam sendo diminuídas em seu valor. O exemplo mais exacerbado e a enfermagem, em que os enfermeiros após cinco anos de graduação, são submetidos a péssimas condições de trabalho, são desrespeitados até mesmo pela população, onde já lemos varias casos de enfermeiros sendo agredidos em hospitais, para no final do mês ter de salário 1.800 reais! Isso nos “melhores” hospitais, porque em algumas cidades brasileiras, o piso salarial do enfermeiro mal chega a mil reais.

Não querendo mudar de assunto, mas no capitulo da ultima terça feira, na nova novela da TV Globo das 21 horas, teve uma cena que mostrou que a TV Globo continua cega quanto a atribuição de profissionais “não médicos”. No trecho um medica ao sair do consultório manda uma enfermeira levar uma paciente ao setor de raio X. O pessoal da TV Globo talvez não saiba, mas os enfermeiros não são copeiros, ou ajudantes para os médicos mandarem fazer isso ou aquilo. Na vida real um técnico de enfermagem acompanharia a paciente, isso após o enfermeiro responsável o orientar e não a medica.

E por essas e outras que no inconsciente coletivo o medico e o patrão, e o resto, nesse balaio esta enfermeiro e os técnicos, fisioterapeutas, biólogos, terapeutas ocupacionais, etc.., é resto!

Por Uanderson de Aquino


0 comentários:

Postar um comentário