Rio de Janeiro - Brasil

quinta-feira, 27 de julho de 2017

O mundo medicocêntrico da Globo



Nesta semana estreou na TV Globo a serie “sob pressão” que narra a historia de uma equipe medica diante da falta de recursos em um hospital publico no Rio de Janeiro em que precisam improvisar para salvar vidas.

São dilemas vividos por profissionais de saúde no dia a dia das grandes emergências não apenas no Rio de Janeiro, mas pelo Brasil a fora. Mas o que mais chama a atenção e mais uma vez o olhar medicocêntrico da TV Globo. A serie e baseada no olhar medico, e todo esforço para salvar vidas no olhar “global” se baseia na ótica medica.

E indiscutível que o profissional medico tem papel fundamental na assistência, afinal vai depender dele a prescrição da medicação, se for necessário uma intervenção cirúrgica, porem para que o médico consiga êxito em suas ações além de seu conhecimento acadêmico e necessário dentre outras coisas a colaboração de outros profissionais que estarão ao seu lado não para cumprir ordens do que fazer, mas auxilia-lo com praticas pertinentes a suas competências, seja o enfermeiro e sua equipe de técnicos, o fisioterapeuta nas UTI’s e emergências.

Porem infelizmente na TV Globo já é costumeiro abordar outros profissionais de saúde de forma jocosa principalmente quando se refere a profissional de enfermagem. A Globo nunca personificou um enfermeiro em suas produções, para eles todos que estão ali na “periferia” dos corredores hospitalares são enfermeiros( incluindo técnicos de enfermagem, maqueiros, etc..) cuja função se restringe cumprir ordens médicas.

Em 2009 por exemplo a TV Globo exibiu a novela “Viver  a Vida” de Manuel Carlos, na historia a atriz Aline Moraes viveu a personagem “ Luciana” que fica tetraplégica após um acidente. 

No desenrolar da história em determinado capitulo a personagem Luciana vai a uma consulta medica e após um exame o medico, vivido pelo ator Mateus Solano, vê sinais de formação de uma ulcera por pressão(Lesão na pele e no tecido subjacente resultante da pressão prolongada sobre a pele) e então chama a atenção da enfermeira e orienta então a personagem Luciana a pedir orientações da fisioterapeuta.

A Globo não sabe que cabe ao enfermeiro não apenas prevenir, como cuidar dos pacientes com UPP( ulcera por pressão), não que outros profissionais como um fisioterapeuta não possa fazer, claro que sim, mas nos hospitais é o enfermeiro que esta ali para isso, inclusive o enfermeiro possui uma especialização chamada estomaterapia que é a especialidade no cuidar de feridas e estomas. Da forma que a Globo abordou aquela cena na novela a enfermeira era apenas uma “empurradora de cadeira de rodas”.

O enfermeiro possui inúmeras atividades, ele é o responsável pelas atividades dos técnicos de enfermagem, e não o medico, o enfermeiro gerencia todas as atividades do cuidado com o paciente na assistência, na parte administrativa, ele é quem controla os insumos que serão usados no hospital, ele e quem presta assistência direta a paciente em estado grave que necessita de assistência de maior complexidade.

Em uma parada cardíaca por exemplo o enfermeiro não vai ficar aguardando o medico dizer o que fazer, o enfermeiro possui seus saberes adquiridos ao longo de cinco anos de graduação.

Se os médicos precisam muitas vezes improvisar para conseguir atender os pacientes por falta de insumos e equipamentos, os enfermeiros também que ficam 24hrs ao lado dos pacientes nas enfermarias e muitas vezes precisam se desdobrar para conseguir realizar uma assistência nos cuidados de forma digna aos pacientes numa ambiente hospitalar em que falta ate seringa.

Sei que no mundo a visão que se tem e o medico “super homem” (ou mulher maravilha) e que a profissão medica é glamourizada e que no mundo da mídia ninguém quer saber se o enfermeiro esta no dilema de falta de técnicos de enfermagem para garantir uma assistência adequada, falta de insumos, equipamentos, etc..., a mídia e a população quer ver o medico decidir se opera o paciente, quer ver o medico com seu jaleco esvoaçante empurrando uma maca com um paciente em estado grave( isso dificilmente você vera na vida real) para a sala de cirurgia.

A TV vive  do glamour, e o mundo da enfermagem não tem glamour, quem decide ingressar em uma universidade para cursar enfermagem é alertado sobre isso logo nas primeiras aulas, aqui não tem reconhecimento!

Mas o que os profissionais da enfermagem ( enfermeiros e técnicos) gostariam e de pelo menos não serem mais uma vez caracterizados nessa serie de TV da Globo como os bobalhões que estão ali apenas para fazer o que o medico mandar, como se cinco anos de faculdade fosse apenas para aprender a cumprir ordens medicas e fazer cara de palhaço.

Seria interessante um dia a Globo ou alguma outra empresa de mídia produzisse uma serie baseada no dia dia nos hospitais, mas desse vez baseada no olhar dos pacientes, que o roteirista passasse uma semana pelo menos como um paciente. Tenho certeza que após essa experiencia a mídia descobriria que nos hospitais não há um protagonista, embora uma classe ate tenha mais holofotes que outras, para o paciente se não houver ação em conjunto em uma equipe multiprofissional para ele o resultado será sombrio...    

Por Uanderson de Aquino

0 comentários:

Postar um comentário