Rio de Janeiro - Brasil

quinta-feira, 2 de março de 2017

Mulher é queimada viva e cremada pela família depois de hospital declarar sua morte erroneamente



A equipe médica do Hospital Sharda, do estado indiano de Uttar Pradesh, norte da Índia, cometeu um erro médico que custou a vida de Rachna Sisodia, de 24 anos.

O departamento médico declarou a morte de Rachna e ela foi cremada viva até a morte em uma pira funerária, na Índia. O laudo declarou, erroneamente, infecção pulmonar.

Enquanto acontecia a cerimônia de cremação, um parente resolveu retirar o corpo de Rachna da pira do funeral por desconfiar que ela não estava morta. Depois de analisar, o corpo já não demonstrava mais sinais vitais, a necropsia havia constatado partículas carbonizadas na traqueia e nos pulmões da jovem.

De acordo com o porta-voz da polícia local indiana, em entrevista ao dailymail, “Isso acontece quando alguém é queimado vivo. As partículas vão para dentro com a respiração. Se uma pessoa está morta, tais partículas não podem alcançar os pulmões e a traqueia. Então os médicos concluíram que a mulher foi queimada viva na pira.”

De acordo com o jornal Extra, “a equipe médica do hospital manteve a posição de Rachna já estava morta. Mas dois médicos que trabalharam na necrópsia descartaram a morte por infecção pulmonar e concluíram que a jovem morrera pelo “choque causado por ser queimada viva“.

Fonte: Extra

0 comentários:

Postar um comentário